terça-feira, 5 de abril de 2011

Já são 6 as representações contra Jair Bolsonaro na Corregedoria da Câmara dos Deputados. Parlamentar é acusado de Homo Fobia

Por Tiago Monteiro Tavares, extraído da Agência Câmara:

O péssimo ato de racismo praticado pelo deputado federal Jair Bolsonaro (PP-RJ), na semana passada, tem gerado diversas ações no Congresso Nacional. As seis representações recebidas pela Corregedoria da Câmara dos Deputados devem ser juntadas em uma só ação.

As representações foram feitas por causa de comentários supostamente racistas de Bolsonaro durante o programa CQC, da TV Bandeirantes, exibido na segunda-feira (28). Durante o programa, em resposta à cantora Preta Gil, que perguntou ao deputado o que ele faria se seu filho se apaixonasse por uma mulher negra, Bolsonaro respondeu:

“Não vou discutir promiscuidade com quem quer que seja. Não corro esse risco porque os meus filhos foram muito bem educados e não viveram em ambientes como lamentavelmente é o teu”.

O deputado garantiu não ser racista e alegou que entendeu errado a pergunta. Bolsonaro disse que achou que a cantora havia questionado o que ele faria se seu filho tivesse um relacionamento gay, e não se namorasse uma mulher negra.

O parlamentar que é membro da Comissão de Ética e Decoro Parlamentar pediu ontem sua própria convocação no colegiado. "Tenho funcionários negros, minha esposa é afrodescendente e o meu sogro é mais negro que mulato", ressaltou.

Uma das representações conta com a assinatura de 20 deputados e foi elaborada na terça-feira (29) numa reunião com a presidente da Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara, deputada Manuela D'Ávila (PCdoB-RS). Além disso, pedidos de investigação por crime de racismo e violação dos direitos humanos foram enviados pelo grupo para a Procuradoria-Geral da República, para o Conselho de Defesa dos Direitos da Pessoa Humana e para o Conselho Nacional de Promoção da Igualdade Racial.

Foi pedida também a substituição de Bolsonaro no colegiado ao líder do PP, deputado Nelson Meurer (PR), a quem cabe a indicação das vagas do partido em cada comissão.

Não bastando ter cometido tal crime, o parlamentar se meteu em outra confusão na semana passada. Comissão de Direitos Humanos e Minorias, que tenta impor, a cerca de 6.000 escolas, kits com o objetivo de “combater a homofobia”. Este Kit é direcionado a crianças entre 7 e 12 anos, e conterá histórias gays. Uma delas, que está no Jornal da Câmara dos Deputados, mostra um garoto, de nome Ricardo, de 14 anos que, certa hora, vai ao banheiro urinar e encontra um colega seu. Enquanto ele urina, Ricardo dá uma olhada e se apaixona pelo garoto. Em outro episódio, este garoto, chamado Ricardo, quando atende à chamada do professor na escola, fica chateado, pois não quer ser chamado de Ricardo, e sim de Bianca. Este garoto decide declarar abertamente a sua homossexualidade e, segundo o KIT, direcionado a crianças entre 7 e 12 anos, Ricardo (ou Bianca) deve servir de exemplo e referência a todos os alunos. Em outro caso, mostra-se um romance de duas lésbicas de 13 anos de idade, em que discute-se a “profundidade em que a língua de uma deve entrar na boca da outra”.

O deputado não é digno de ser representante da sociedade! Não podemos admitir que um parlamentar defenda publicamente ações de racismo. Estamos no século XXI e a diversidade é a característica mais forte da sociedade. Por isso, Bolsonaro deveria ser indiciado por Racismo e posteriormente julgado e condenado pelo Supremo Tribunal federal, última instância que deverá decidir sobre o caso do “Parlamentar Homo fóbico”.

2 comentários: